Ler mais histórias
Olá, meu nome é Mizraim Ribeiro

Essa é minha história

Conhecer agora


Uma luz no fim do túnel

Inúmeras pessoas me perguntam se eu sou estrangeira, porque tenho um nome muito diferente. Mas na realidade, sou de uma família cristã e meus pais colocaram um nome bíblico em mim, que quer dizer “Egito” em hebraico. Sou casada há 13 anos e desde que nos casamos, eu e meu esposo sonhávamos em sermos pais. Após um ano de casados resolvemos tentar engravidar, mas mesmo com inúmeras tentativas não conseguimos. Eu casei muito nova e confesso que não entendia porque não conseguia, ficava muito frustrada. Mesmo depois que descobri que tinha ovário policístico, eu ainda não entendia e nem sequer sabia o que era. Era muito inexperiente.

Eu eu meu esposo
Tentativas e mais tentativas

Minha menstruação era muito irregular, tinha vezes que ela descia somente uma vez no ano. Na época, eu era muito nova, não entendia sobre essas coisas e também o assunto não era muito divulgado. Hoje em dia, ovário policístico é um assunto muito discutido e é muito fácil de achar informações e até mesmo depoimentos e dicas de mulheres com o mesmo distúrbio.

Lembro que desde adolescente a minha mão me dava o remédio que ela usava, o “anticoncepcional”, para que minha menstruação descesse. Ela me disse que quando ela tomava a menstruação dela descia, então me deu também.

Claro que, quando decidi engravidar eu parei de tomar o anticoncepcional. Mas mesmo assim, algum tempo se passou e eu não engravidava. Como disse, eu era muito inexperiente, então eu e meu esposo fomos procurar um médico. Ele me explicou que eu tinha ovários policísticos (SOP) e me passou um tratamento que deveria ser feito particular, mas como não tínhamos muitas condições na época, fazíamos o que dava. Infelizmente, não tínhamos recursos para todas as consultas, exames e remédios que eram necessários.

Eu e meu marido somos missionários cristãos, portanto, moramos em vários lugares durante esses anos. E em cada lugar que morava eu procurava um médico novo. Eles me davam remédios para ovular, e às vezes dava certo, e outras eu nem conseguia fecundar.

Deixar nas mãos de Deus

Como minha vida é muito corrida, fui fazendo outras coisas durante esse período, e fui deixando para lá. Deixei nas mãos de Deus, para que acontecesse no tempo dele. Porém, eu realmente me frustrei, chorei muito. Muitas pessoas ao meu redor conseguiram e eu não. E eu meio que me culpava, pois queria agradar o meu marido dando um filho à ele. Quando não conseguimos, nos sentimos inúteis.

Nesses anos de tentativas, meu esposo também fez alguns exames, e os médicos sempre falavam que estava tudo normal. Até que um dia, há dois anos, estávamos morando na Argentina e começamos um tratamento que era gratuito em um hospital público. Foi então que o urologista descobriu que meu esposo tinha varicocele. O médico disse não ser algo muito grave, e que ele deveria ter isso desde criança. Disse que ele poderia até fazer uma cirurgia, mas que isso não o atrapalharia a ser pai.

Além disso, no final do ano passado minha menstruação começou a regularizar sozinha, sem uso de medicamento. Começou a vir de dois em dois meses. Depois, começou a vir todo mês, então nós nos animamos muito, porque era sinal que eu, de certa forma, estava ovulando.

Nossa, alguma coisa está acontecendo, graças a Deus, Deus está movendo alguma coisa em mim. Para nós foi uma vitória, pois ela só vinha de ano em ano.

Porém, nem assim eu conseguia engravidar. Então, novamente procuramos um médico e ele disse que eu teria que fazer inseminação; pois já estamos em idade avançada e meu esposo estava com os espermas com baixa qualidade. Disse também que pelo tempo que estamos tentando, 12 anos, a inseminação era a melhor opção, tendo em vista que a SOP estava atrapalhando as tentativas. Porém, eu estava desempregada e meu marido com a situação financeira precária.

Só um milagre de Deus para conseguir fazer a inseminação.

Um presente de Deus

Quando menos esperei apareceu uma luz no fim do túnel. Minha mãe, que quer muito ser avó, me mandou um vídeo que ela achou no Youtube, e me pediu para tentar esse tratamento que falaram no vídeo. Pois o casal do vídeo era mais velho que nós e já conseguiram engravidar uma vez. Infelizmente, ela perdeu o bebê, mas segue tentando o segundo.

Eu me animei bastante com a história deles. Fui pesquisar e encontrei o Instagram dos produtos para tentantes e vi a Thaeme, falando sobre eles. Fiquei muito feliz. Um produto natural, e mais barato que uma inseminação, poderia ser um canal de benção para nós. Além disso, poderia finalmente acompanhar a minha ovulação, porque tendo SOP fica muito mais difícil de saber o dia fértil, e eu nem sabia que poderia acompanhar.

Entrei no site e achei os outros produtos, e pensei, preciso desses kits! Por isso, resolvi tentar com o Kit Casal, o FamiSop (que é específico para quem tem SOP), e o gel específico para engravidar.

Espero voltar em breve contando que consegui o meu tão sonhado positivo!

A minha irmão também é tentante, e não fala abertamente o que tem, mas acredito ser o mesmo problema que eu. Quem sabe eu e minha irmã engravidamos juntas? Ademais, tenho muitas amigas que também são tentantes há muito tempo, e tenho certeza que vou poder indicar os produtos para elas também.

Seguimos felizes nas tentativas com os produtos

Obrigada por terem lido minha história, torçam por mim e minha família! E se quiserem conversar, é só me seguir no Instagram: ​@mizraim.samela

Com carinho,
Mizraim Sâmela Rodrigues Ribeiro

Para conhecer mais histórias clique aqui