Para que o embrião se desenvolva com tranquilidade e segurança, o próprio corpo tem suas artimanhas e o líquido amniótico é uma delas. O líquido amniótico é um fluido que fica dentro da bolsa, localizada no interior do útero, e possui diversas funções importantes. Por isso, a perda de líquido amniótico é preocupante e capaz de colocar a saúde do pequeno em risco.

O líquido amniótico protege o bebê de choques e fortes impactos, controla a temperatura dentro do útero e garante que o cordão não sofra compressões. Além disso, é essencial para o desenvolvimento e formação do sistema digestivo e respiratório. A perda de liquido amniótico é conhecida como Oligoidrâmnio e não é algo considerado muito comum durante a fase gestacional, ocorrendo em torno de 8% das gravidez.

Com o avançar da gestação a tendência é a quantidade de líquido amniótico aumentar cada vez mais, chegando a cerca de 1 litro dentro do útero na 36º semana, e então começar a reduzir conforme se aproxima o dia nascimento do bebê. Mas se ocorre essa redução no final, por que a perda de líquido amniótico é algo preocupante? Porque quando começa antes do terceiro trimestre pode afetar o desenvolvimento correto dos pulmões e demais órgãos. Por isso, o obstetra monitora ao longo do pré natal essa quantidade, garantindo o amadurecimento dos órgãos até que estejam realmente preparados para o nascimento.

É através de exames de ultrassonografia que é possível verificar a quantidade de líquido amniótico na bolsa e monitorar os riscos para o bebê. Em alguns casos, ao observar a baixa de líquido no terceiro trimestre, o médico pode optar pelo parto e deixar que o bebê termine de se desenvolver do lado de fora. Também é possível que recomende repouso absoluto e a ingestão de muito líquido, de forma a repor a quantidade necessária para garantir o máximo de tempo possível na barriga. Além disso, em alguns casos pode ser preciso a internação da gestante para acompanhamento, já em outros, um repouso feito em casa é o suficiente.

Quais São as Causas da Perda de Líquido Amniótico?

As causas da perda de líquido amniótico não são muito claras, mas estão ligadas a intercorrências na gestação como quadros infecciosos genitais, por exemplo. Por isso, na presença de sintomas como ardência ao urinar, o médico deve ser informado imediatamente para avaliação e exames diagnósticos.

Problemas na placenta também podem provocar redução no líquido amniótico. Isso porque, ao ter suas funções alteradas o bebê acaba produzindo menos urina, afetando diretamente a quantidade de líquido no interior da bolsa. Outra possível causa, e geralmente apontada como a principal e “mais comum”, é a ruptura parcial da bolsa. Quando isso ocorre, um pequeno furo por onde vaza o líquido é constatado no local, reduzindo rapidamente sua quantidade.

Anomalias no bebê, como mal funcionamento dos rins, também pode ser um motivo para perda de líquido amniótico. Aliás, vale alertar que remédios para controle de hipertensão arterial podem afetar o funcionamento adequado dos rins do bebê. Por fim, outra possível causa é a desidratação materna. Lembre-se que ingerir bastante líquido ao longo da gravidez é fundamental para a saúde do bebê.

Dica Importante: mulheres que estão gestando precisam de vitaminas para auxiliar a boa formação do bebê, mesmo que já estejam em fase avançada da gravidez. Vitaminas com Metilfolato podem ser usadas até durante a amamentação e para esta finalidade recomendados o FamiGesta.

Veja Também: Bebês na Barriga – O que ele Fazem Dentro Dela?

Foto: Pablo César Pérez Gonzál